Quinta-feira, 17 de Dezembro de 2009

Sentido

Que sentido têm as coisas cujo sentido se ausenta?

 

Na verdade, o que é o sentido?

 

Foram duas das muitas dúvidas que arrombaram o meu pensamento num momento vulgar. E fiz, o que faço sempre que tenho dúvidas à cerca do significado das palavras, remeti-me ao dicionário (sim, porque segundo ouvi há pouco, a wikipédia é imensamente desvalorizada). Dicionário desfolhado, sentido é (sendo, com certeza, o nome que me interessou) uma função psicofisiológica que consite em experimentar certa espécie de sensação. Claro que a lista de possíveis significados não acaba aqui e é infindável, mas este pareceu-me, sem dúvida, o mais perto da verdade. Fiquei ainda mais baralhada. Mais do que sou, mais do que estava.

 

A curiosidade aguçou-se quando me disseram que o que escrevo não faz sentido, que eu não faço sentido (pelo menos não todo). E como em caso de dúvida, ponho sempre a hipótese de estar errada, pesquisei sobre a palavra. Infelizmente, nem o dicionário, nem mesmo a wikipédia me dizem se sou eu que não faço sentido, ou se são as pessoas que não entendem o sentido que faço ou a ausência deste, que na verdade e subjectivamente pode fazer todo o sentido.

 

No entanto, como a obstinação é um fundo irreparável, repesquisei (ao que parece o re- faz todo o sentido) e apesar de não ter ficado ilucidada, por motivos vários e variados, apreciei o que li e fiquei claramente mais descansada, O caso não é assim tão grave, que alívio...O sentido que damos ás coisas depende do referencial. Logo vemos que dar é arbitrário.

 

Mas afinal, por que é que precisam as coisas de sentido? Ah conotações injuriosas e ruins!

 

O segredo, que não existe, talvez seja apenas ficarmos com as coisas, entre as coisas, apenas sendo e existindo com elas, sem sentido nenhum.

 

É o que penso, é o que sou, e isso faz todo o sentido!


publicado por Filipa às 21:13
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De esperoquenao a 18 de Dezembro de 2009 às 16:10
Mais uma vez, a falta de sentido é o que caracteriza e, de certo modo, dá sentido aos teus posts.

Começa logo em grande: "Que sentido têm as coisas cujo sentido se ausenta?" Pimba!

E ainda atordoados com a falta de sentido da primeira pergunta, vens tu, outra vez, e espetas-nos mais uma pergunta. Só por causa das coisas.

E como se não bastasse, logo de seguida vem: "uma função psicofisiológica que consite em experimentar certa espécie de sensação". Vai buscar!

E é mais ou menos nesta altura que as pessoas dizem: "FODA-SE ! MAS AFINAL COMO É QUE O SENTIDO PODE AUSENTAR-SE? AH, ENTÃO ONDE É QUE ESTÁ O SENTIDO? FOI ALI COMPRAR LARANJAS. AUSENTOU-SE DURANTE UNS INSTANTES MAS JÁ DEVE ESTAR AÍ A CHEGAR. E JÁ AGORA, MAS QUE MERDA É ESSA DA FUNÇÃO PSICOLÓGICA?"

Eu é que como sou bem educado e não disse isto, limitei-me a pensar e a ler o resto do post.

Adeus e que Deus esteja dentro de vós, naquele sítio entre o fígado e o estômago. Ao que parece, é onde ele gosta de permanecer, porque é quente e macio.


Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 1 seguidor

.pesquisar

 

.Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Pára de chorar, pára de s...

. Horóscopo

. Conflitos

. Fecha os olhos...

. :)

. Homens e Mulheres

. Tormentas

. The way

. Amanhã

. Credibilidade

.arquivos

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

SAPO Blogs

.subscrever feeds