Sábado, 2 de Janeiro de 2010

Boca do Mundo

Se a chama chega, e ninguém chega à chama, de que vale arder?

Se os livros se escrevem, e ninguém os abre, de que valem as palavras?

Se o tempo avança, e nós não avançamos com ele, de que vale o progresso?

Se o conhecimento se espalha, mas nós não o atingimos, de que vale viver?

Se a verdade é múltipla, e nós temos pouco espaço, de que vale a curiosidade?

Se o barco parte, sem velas, de que serve a maré?

 

Não se mostra o trajecto a quem parte para se perder. Não se dá boleia a quem precisa de ir a pé. E é como quando pensas que estás a chegar e não deste um passo.

 

Onde estou, nada mais pode crescer, eu sou assim, uma fénix a arder, são só os meus erros e toda a minha culpa.

 

Hoje, até o ar anda cansado. Preciso de um enigma para pôr fim ao turpor. Não sei o que me deu, não costumo estar assim, desço a rua que passa rente á boca do mundo. Sinto a vida que passa e os rumores que circulam na boca do mundo. E é tudo o que faço e é todo o meu cansaço. Por fim...


publicado por Filipa às 16:51
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De esperoquenao a 3 de Janeiro de 2010 às 02:17
"Se a chama chega, e ninguém chega à chama, de que vale arder?" - mas a chama chega onde? Chama é paixão, o é o quê? Fogo?

"Se o tempo avança, e nós não o avançamos com ele, de que vale o progresso?

Se o conhecimento se espalha, mas nós não o o atingimos, de que vale viver?" - Cuidado. Progresso e conhecimento são conceitos subjectivos por dependerem do Homem.

O progresso depende do tempo, o inverso não o é verdade. Além disso, quando dizes que "o tempo avança, e nós não o avançamos com ele" já por si fazes alusão a progresso, porque nesta frase "tempo" tem que ser interpretado num sentido mais lato. No sentido de evolução, de desenvolvimento, num sentido dinâmico e mutável. Não do ponto de vista cronológico , mas do ponto e vista psicológico ou "social". Do tipo: "Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades".

Quanto à outra frase: a vida não o é só conhecimento.

"Se a verdade é múltipla, e nós temos pouco espaço, de que vale a curiosidade?" - Temos pouco espaço para quê? De memória?

Além disso tenho dúvidas que a curiosidade exista para atingir a verdade. O Homem tem um grande prazer em "saber" mentiras.

"Se o barco parte, sem velas, de que serve a maré?" - a maré não o tem nada ver com as velas. Pode não haver vento suficiente para se utilizarem as velas, mas haver maré (força da corrente marítima, ou do rio) para o barco se deslocar.


Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 1 seguidor

.pesquisar

 

.Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Pára de chorar, pára de s...

. Horóscopo

. Conflitos

. Fecha os olhos...

. :)

. Homens e Mulheres

. Tormentas

. The way

. Amanhã

. Credibilidade

.arquivos

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

SAPO Blogs

.subscrever feeds